Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vida de Desempregada

Um blogue de lifestyle para todos os orçamentos!

Polaroids que duram uma vida

_MG_4044aa.png

Fotos: Graziela Costa 

 

Adoro tirar fotografias e é uma das coisas que me dá mais prazer na vida. Amo aquela adrenalina de sentir o disparo da máquina e guardar um momento para sempre. Aliás, quando era pequena já achava piada a máquinas fotográficas e de tanto brincar com a Kodak da minha mãe acabei por estragá-la. Entretanto, os anos foram passando e eu tive algumas máquinas de plástico, mas nada de grande qualidade, nem que me permitissem fotografar com flash ou controlar fosse o que fosse. Para além disso, tinha aquele típico problema: não ter dinheiro para revelar os rolos, mas quando um dia fui à festa de anos de uma colega de escola, ela mostrou-me a Polaroid que havia recebido de presente e eu fiquei fascinada, pois era mesmo aquilo mesmo que eu precisava, não que aos dez anos tivesse grande noção disso eheheh, isto é, uma máquina que "revelasse" logo as fotografias e que tivesse flash para eu poder tirar fotos à noite. 

 

Nesse dia, quando regressei a casa não conseguia deixar de pensar naquela máquina. E claro tratei logo de "chagar" a cabeça aos meus pais para me oferecerem uma, até porque tinha reparado que eles tinham duas Polaroids à venda na sua loja. No entanto, não obtive uma resposta positiva, pois a máquina custava catorze contos. Ainda assim, eu sou de ideias fixas e durante oito anos pedi aquela máquina, sim porque uma vendeu-se, mas a outra ficou por lá.

 

No dia em que entrei para a faculdade aproveitei para "mandar o barro à parede" e pedir mais uma vez a máquina. Finalmente a resposta foi sim e se vissem a minha cara... acho que só fiquei mais feliz quando me disseram que ia ter um cão! Claro que, alguma coisa tinha de estragar a minha felicidade e meses depois a Polaroid anunciou o fim do fabrico das suas recargas. E agora o que é que eu ia fazer? Não era justo!

 

Bem, tal como a maioria dos proprietários destas máquinas comecei a procurar recargas em todas as lojas e ainda fui conseguindo algumas, mas atualmente só as encontro na internet ou compro as Impossible e dessas eu não gosto tanto até porque são mais caras e as cores não ficam iguais. Aliás, as cores das Fujifilm são muito melhores tanto que, agora fotografo muito mais com a minha Intax Mini 8, só que o formato não é mesmo e para certos projetos ainda continuo a preferir o quadrado da Polaroid. O que me levou a procurar alternativas digitais e recentemente descobri que a Sticky 9, uma plataforma da qual já vos falei aqui antes, que tem uma alternativa parecida, as Retro Prints. Um formato que me permite transformar fotografias digitais em perfeitas réplicas das tradicionais Polaroids e como podem ver pela fotografia abaixo, as diferenças mal se notam, aliás estas até têm uma vantagem: podem ser expostas ao sol, isto porque se tiverem uma Polaroid original num local que apanhe luz solar vão ver que ela vai perdendo a cor. Logo, para grandes males grandes remédios e agora, as minhas Polaroids vão durar uma vida!

 

Já agora, se quiserem ver o meu projeto em Polaroid, cujo mote são as bandas e músicos que eu admiro e que vou encontrando quando vou fotografar concertos e festivais podem faze-lo aqui.

 

_MG_4042aa.png

Graziela

Review / Passatempo fotos por todo o lado!

_MG_2044a.png

Fotos: Graziela Costa

 

Bem, eu tiro muitas fotos, analógicas, digitais, em máquinas e no telemóvel. Adoro registar todos os momentos, pois não quero que nenhum deles me fuja quando um dia for velhinha. No entanto, a maioria das vezes essas fotos nunca são impressas. Porquê? Porque senão ficava na penúria, ainda assim gosto de imprimir aquelas mais sentimentais e espalhá-las pela casa. Tenho molduras na sala, no quarto, fotos coladas no espelho, mas a maioria das minhas fotos estão mesmo na porta do frigorifico. Um hábito que ganhei devido à influência dos filmes americanos, mas também porque gosto de começar o dia a olhar para aqueles que amo. Antigamente essas fotos eram coladas com bostik (o que estraga as fotos) ou "fixadas" com diversos imans, mas com o calor normalmente ficavam degradadas.

 

No inicio do ano através de uma série de blogues, nomeadamente o Joan Of July descobri a impressão de fotos em imanes e desde então estou viciada (dá para ver pela foto abaixo), pois podemos imprimir as nossas fotos e "fixá-las" em qualquer superfície que atraia imanes. 

 

Recentemente, tive a oportunidade de experimentar o serviço da Sticky9, uma loja online através da qual podemos imprimir diversos tipos de imanes. Eu escolhi os classic magnets (9 fotos, 15cmx15cm) que custam 14,99 dólares (pagamentos via paypal ou cartão de crédito e portes grátis para todo o mundo) e em poucos minutos fiz upload das minhas fotos para o site. Passadas nem duas semanas chegaram a minha casa estas belas fotos e ainda assim confesso que estava com algum receio da qualidade de impressão, mas ficaram impecáveis! Para além disso, traziam uma prova de contacto que eu aproveitei para recortar e colocar na minha carteira, assim "trago" sempre comigo os meus pais, o meu namorado e a Júlia. 

 

Sem dúvida adorei esta experiência e de certeza que vou repetir!

 

E vocês gostavam de experimentar os imanes da Sticky9? Eu aposto que sim, por isso em parceria com esta loja tenho para oferecer a um(a) leitor(a) do Vida de Desempregada, um conjunto de classic magnets para que vocês também possam imprimir as fotos que mais gostam!

 

Para se habilitarem a este prémio, basta preencherem as entradas do formulário abaixo até ao dia 31 de Maio de 2015 à meia noite. Atenção, todas as entradas são obrigatórias. Este passatempo só é válido para residentes em Portugal (só será entregue um prémio por morada). O vencedor será apurado via random e contactado por email. Cada pessoa só pode participar uma vez por dia.

_MG_2053a.png

O frigorifico mais apaixonado de sempre!

_MG_2056aa.png

Os imanes_MG_2060aa.png

 A prova de contacto já na minha carteira

Graziela

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.